Fandom

Scratchpad

Luana

216,174pages on
this wiki
Add New Page
Discuss this page0 Share

Ad blocker interference detected!


Wikia is a free-to-use site that makes money from advertising. We have a modified experience for viewers using ad blockers

Wikia is not accessible if you’ve made further modifications. Remove the custom ad blocker rule(s) and the page will load as expected.

Filho,

        Desculpe-me. Mas você há de me compreender. Aliás se os sentimentos 

da mãe passam pros filhos na barriga, você também deve estar precisando de umas boas colheradas de brigadeiro. Desculpe-me mas dessa vez não vou fingir ou tentar ser perfeita. Irei começar errada, admitindo meu erros. Confesso também que já tentei, tentei a beça ser mãe perfeita. E dessa nunca conheci ou cheguei perto. Mãe é aquela que falha e da qual se espera demais. Mãe sempre peca, ensinando o filho a abrir mão demais, a ser responsável, correndo o risco até mesmo de ser moralista ou mostrando a vida demais, amadurecendo-o cedo. A mãe é aquela que protege de mais ou deixa o filho exposto demais à vida. Ah, maldita vida! Como as pessoas tem coragem de por filhos no mundo? Não que o mundo não seja belo. Mas eles nascem tão indefesos, tão despreparados. E quem somos nós pra prepará-los, quem somos?

         Como sabemos o quanto devemos nos doar, o quanto devemos viver? Desde

quando fazer contas faz parte de ser mãe? O que se pode ou deve medir? O tempo, a felicidade, o rendimento? O que rende um filho? Trabalho, alegria, vontade, necessidade, aprendizagem, ternura, altruísmo. Perpetuidade? E nós? Nós que podemos dizer, e dizemos: Eu tenho que ser feliz porque meu filho não merece uma mãe triste! O que ensinarei ao meu filho exigindo tanto de mim mesma? O que ensinarei se não exigir? Estarei sempre errada. Ame esta mãe errada que se esforça pra ser e fazer feliz o rebanho. Desculpa essa mãe com amor de bicho. De bicho que vive em bando. Desculpa por não achar que devo pedir tantas desculpas. Sou um erro. Não! Sou um improviso como você. Mal cabia no mundo antes de ter filhos e sei que nunca saberei ao certo o meu lugar. E sei que, de certo, sei que nada está certo ou errado e que a vida é uma linda confusão criativa. E que vocês não são criação minha por mais que eu me gabe.

           E como eu não quero mais justificar os meus erros e já assumi logo 

que estou errada, direi-lhe agora que passa tão rápido que nem sempre se vê quando ou quanto se está errada. Num dia eu tinha um bebê em que a mão inteira se perdia na palma da minha e era difícil segurar essa mão tão singela e frágil, se comunicava comigo por gestos e choros, e eu conversava com ele sem parar. Pois ele tinha saído de mim, não era parte de mim, mas tinha parte de mim. Já se viu mais intimidade? De repente é um menino que testa e contesta os limites. Um filósofo para o qual eu devo ensinar algo! Quanto filosófica ainda sou para fazê-lo? Tão sabias são as crianças! São filósofos que buscam a felicidade mais que a verdade, mas buscam as duas a todo momento. Os filósofos crescidos se perdem na busca da verdade, não percebem o quanto irracional é tentar ser puramente raciona perante o que quer que seja no mundo. Ninguém jamais conseguirá! E se fosse possível, seria ainda desinteressante e não daria prazer algum. Talvez seja essa forma de encarar a emoção, que é diferente nos adultos e nas crianças, que cause uma certa distância dialógica às vezes. Não é que as crianças não possam entender certas coisas como os adultos costumam dizer ou pensar! Eu nunca acreditei nisso. Desde criança eu pensei que os adultos criaram essa teoria pra justificar sua preguiça ou seu medo e que alguns a seguem sem perceber o motivo de sua invenção. Taí uma prova de que adulto às vezes é um bicho bobo!

Also on Fandom

Random wikia